iBOM | Estudantes e PM brilharam no desfile de 7 de setembro



140x140
Bom Despacho (MG), 22 de setembro de 2017

Estudantes e PM brilharam no desfile de 7 de setembro

No alto à esquerda Escola Chiquinha Soares; à direita a Banda do 7º BPM; embaixo à esquerda o Colégio Tiradentes; à direita os Escoteiros
Publicado em 10/09/2017 19:05:27

FERNANDO CABRAL - Mais uma vez os bom-despachenses se reuniram para celebrar o 7 de Setembro. Foi um dia bom para comemorarmos a declaração da nossa independência com relação a Portugal. Mas foi um dia melhor ainda para meditarmos sobre a necessidade de declararmos nossa independência com relação à camarilha corrupta que domina nossa política.

A solenidade começou com o hasteamento à Bandeira. O Hino Nacional foi executado pela Banda do 7º BPM, regida pelo maestro Tenente Paulo Natividade. Em seguida, as autoridades se dirigiram ao palanque instalado na Av. 1º de Junho. O desfile foi aberto pelos fiscais da prefeitura e fechado pela tropa do 7º Batalhão e sua banda.

Este ano, devido ao calor e à seca, a prefeitura encurtou para uma hora a comemoração. Isto trouxe mais conforto ao público e protegeu nossas crianças. Especialmente as menores, que sofrem mais com a demora, com o calor e com o ar seco.

O encurtamento não tirou o brilho da celebração. As escolas participaram com disposição, alegria e muito entusiasmo. As fanfarras escolares se destacaram. Entre elas, chamaram a atenção a da Escola Irmã Maria e da Escola Chiquinha Soares. Esta envergava belo e garboso uniforme novo.

Momento de meditação

Na semana em que comemoramos nossa independência, a Polícia Federal descobriu num apartamento em Salvador caixas e malas com mais de R$ 51 milhões em dinheiro vivo. A fortuna nababesca é atribuída a Geddel Vieira Lima, ex-ministro, representante e prócer dos governos Lula, Dilma eTemer. A riqueza e o relacionamento íntimo do acusado com estes três presidentes e seus partidos mostra, mais uma vez, que no Brasil a corrupção não tem partido nem ideologia. Tem apenas desfaçatez, ganância e falta de escrúpulo.

Geddel, que cumpria prisão domiciliar, foi preso novamente. A Lava Jato ainda condenará muitos como ele. Mas isto de nada adiantará se o eleitor não aprender a usar o seu voto. E não adianta pensar nem em milagres nem militares. Por aí não há saída. A saída está na escolha de políticos competentes e honestos. Sem isto, apenas substituiremos seis por meia dúzia e as atividades da PF, do MPF e da justiça federal serão mero enxugar gelo.

Em momento assim é bom lembrar algumas palavras do tão atacado economista Roberto Campos: “Continuamos a ser a colônia, um país não de cidadãos, mas de súditos, passivamente submetidos às ‘autoridades’ – a grande diferença, no fundo, é que antigamente a ‘autoridade’ era Lisboa. Hoje, é Brasília”.

Na Semana da Pátria convém que meditemos sobre o Brasil que queremos. O Brasil que só poderemos construir com trabalho, sentimento cívico, voto livre e consciente.

Fernando Cabral é advogado, auditor federal e prefeito reeleito de BD



Rua do Rosário, 72 – Centro – Fone (37) 3522.2361 – Bom Despacho - MG
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Jornal de Negócios.