iBOM | Achei um tesouro valioso escondido no Campo da Educação



140x140
Bom Despacho (MG), 22 de setembro de 2017

Achei um tesouro valioso escondido no Campo da Educação

Imagem ilustrativa
Publicado em 14/07/2017 07:38:28

DENISE COIMBRA - Há 5 anos voltei a residir em Bom Despacho. Dia após outro vou descobrindo, nos bairros da cidade, tesouros escondidos e, algumas vezes, pouco valorizados pelos bom-despachenses.

Quem conhece a biblioteca comunitária José Mauro de Vasconcelos? Se você pensou na biblioteca da Escola Estadual Irmã Maria acertou. Soube pela professora Zeni Ribeiro Hamdan, ex-diretora da escola, que a biblioteca foi fundada na década de 80 e contou com a dedicação e apoio de uma equipe de professoras da escola. Não conseguirei citar o nome delas neste pequeno artigo, mas registro aqui minha admiração e respeito por todas as pessoas que, ao longo da existência da escola e da biblioteca, contribuem com o enriquecimento cultural, educacional e literário dos alunos e moradores da região do Campo. Feito primoroso a ser destacado!

D. Zeni contou-me também que antes da atual biblioteca foi criada uma biblioteca volante. Os livros, oriundos da Biblioteca Municipal, eram emprestados aos alunos da escola Irmã Maria, de sala em sala. Como incentivo à leitura, o aluno que fizesse resumos da obras ou lesse mais livros era presenteado com um livro. Ler para ler sempre e cada vez mais!

Aos poucos começaram a receber doações de livros para a criação de uma biblioteca própria. Para isso, tiveram o apoio do proprietário de uma papelaria no centro da cidade. Ele comprava livros de literatura e livros didáticos e os repassava para a escola a preço de custo. Oxalá, sua família saiba dessa atitude e valorize o seu legado.

Conversei com D. Edith, que também trabalhou na escola como professora, supervisora e diretora. Ela esclareceu-me que o nome da biblioteca fora escolhido porque o livro “Meu Pé de Laranja Lima”, de José Mauro de Vasconcelos, era muito lido naquela época e foi bastante trabalhado em sala de aula com os alunos. A magia, o hábito e o estímulo à leitura de muitos meninos e meninas do Campo começou com ele, imagino.

José Mauro de Vasconcelos nasceu em 1920 e publicou o primeiro livro aos 22 anos. Ficou conhecido pela vida repleta de experiências e pela diversidade de trabalhos que realizou. Foi carregador de bananas, pescador, professor primário, garimpeiro, ator de cinema e

garçom. Por sua escrita rica em imaginação poética e sentimentalismo, José Mauro de Vasconcelos foi marginalizado e injustiçado pela crítica. Ao contrário do público que o aclamava a cada obra lida. Sua forma simples de escrever o distinguiu com o título de escritor popular.

Ao conhecer um pouco da história da criação da biblioteca comunitária e sabedora do papel fundamental que Irmã Maria, a fundadora da escola, teve na educação da população da região do Campo - historicamente pouco valorizada e apoiada em suas demandas e direitos - arrisco a afirmar que temos nesta escola um espaço de diálogo com a comunidade que deveria ser potencializado. Um tesouro escondido no Campo da Educação!

José Mauro de Vasconcelos e Emma Giosepha Blasigni são lembrados pelos efeitos de sua obra na vida dos menos favorecidos. São duas histórias de vida extremamente valorosas!

A Biblioteca Comunitária da Escola Estadual Irmã Maria é um tesouro que deve ser anunciado, conhecido e valorizado por todos. Quando a Escola abre a sua biblioteca para a comunidade, aprendemos “a ler o mundo.” E, isso não é pouco! E para muitos de nós pode ser vital!

Denise Coimbra é psicóloga e escritora



Rua do Rosário, 72 – Centro – Fone (37) 3522.2361 – Bom Despacho - MG
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Jornal de Negócios.