iBOM | Precisamos conversar sobre a saúde do nosso trabalhador



140x140
Bom Despacho (MG), 19 de novembro de 2017

Precisamos conversar sobre a saúde do nosso trabalhador

Imagem ilustrativa
Publicado em 02/05/2017 23:05:29

DENISE COIMBRA - A semana anterior começou agitada. Na segunda-feira de manhã, em Belo Horizonte, fiz o acompanhamento terapêutico de duas pessoas, na residência delas. Ambas foram afastadas do trabalho e não saem de casa há quase seis meses. O diagnóstico? Depressão. À tarde, desloco-me para a UFMG para participar da IV Conferência Estadual da Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora de Minas Gerais.

Durante a conferência soube que os transtornos mentais são a terceira maior causa de afastamento do trabalho. Penso, então, que o trabalho, tantas vezes enaltecido como o grande construtor da vida, é também destruidor dela. Proteção e garantias são necessárias para minimizar o impacto do trabalho na saúde dos trabalhadores e trabalhadoras.

Às 18 horas retorno para Bom Despacho de ônibus. Ao meu lado uma mulher. Antes de sairmos da rodoviária já éramos duas comadres conversando. Disse-me que nasceu em Pará de Minas e atualmente reside em Taubaté. Contou-me que já passeou algumas vezes em Bom Despacho. Uma ótima cidade para se viver. Tranquila e com uma bela igreja! Praticamente escondida pelos enormes edifícios que construíram no entorno dela, lamenta. Concordei e acrescentei: eu jamais construiria edifícios no centro da minha cidade natal. Preservaria os casarões no entorno da Praça da Matriz e ao longo da rua Dr. Miguel Gontijo. A Casa Assumpção, o Cine Regina e o bar do Gercino estariam de pé, até hoje, sem dúvida alguma! – Entusiasmada, devaneei.

Ao ver o relatório final da IV Conferência sobre a saúde do trabalhador e da trabalhadora de Minas Gerais no meu colo, Lúcia disparou:

- Vocês discutiram sobre o assédio moral? Meu marido está com depressão por causa de perseguição, maus tratos e está adoecendo no trabalho por causa de inúmeras injustiças do patrão dele. Exige metas impossíveis de serem cumpridas, faz chacota dele na frente dos colegas e, quando meu marido vai retrucar, o patrão fica indiferente e passa dias sem conversar com ele. E aí, o que ele faz? Se ele denuncia, perde o emprego. Se cala perde a saúde. O que você faria?

- Assédio é crime. Eu o denunciaria. Respondi sem pestanejar. Ela retrucou:

- Como ele fará isso? O patrão é rico. É dono de quase tudo na região. Se ele o denunciar nunca mais vai arranjar outro emprego.

Ao invés de respondê-la, perguntei:

- O que você faria?

- Eu pediria demissão e faria uma denúncia anônima. Sou pobre e trabalhadora, mas não sou saco de pancada de ninguém. Esbravejou.

Não agüentei e ri apesar da gravidade do que ela relatou. Expliquei o motivo. Há muitos anos não escutava aquela expressão. Fez-me recordar de uma frase que meu pai ensinou-me tão antiga quanto aquela.

Mas, queria ouvi-la e não falar. Cacoete de profissão, diria Maria Maura, uma querida colega de trabalho e de horas extras intermináveis dez anos atrás.

Lúcia desceu em Pará de Minas. Lembrei-me das pessoas que atendi na segunda-feira. Tal e qual o marido dela, foram diagnosticadas com depressão. O risco de cometerem suicídio, infelizmente, é uma possibilidade. De novo, a importância de proteger a saúde dos trabalhadores.

Na quarta-feira a aprovação da reforma trabalhista que alija o trabalhador e a trabalhadora brasileira de direitos mínimos deixou-me perplexa e indignada. Diante de um quadro tão desfavorável aos direitos trabalhistas e previdenciários de todo e toda brasileira que tem construído esse país, carregando muitos políticos e empresários desonestos “nas costas” para manter de pé o Brasil, sexta-feira 28 de abril, dia mundial em memória às vítimas de doenças e acidentes de trabalho eu fui à Praça da Matriz fazer o meu protesto contra o atual governo com seus desatinos e descalabros. O motivo? É também simbólico.

- Meu pai ensinou-me que desaforo a gente não leva pra casa!

Denise Coimbra é psicóloga e escritora



Rua do Rosário, 72 – Centro – Fone (37) 3522.2361 – Bom Despacho - MG
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Jornal de Negócios.