iBOM | Viagem à Europa: as impressionantes ruínas de Pompeia



140x140
Bom Despacho (MG), 21 de setembro de 2017

Viagem à Europa: as impressionantes ruínas de Pompeia

Ruínas de Pompeia, na Itália: casas, templos e edifícios assombrosamente intactos
Publicado em 14/10/2016 10:11:18

TADEU ARAÚJO - Meu filho número 2, Bruno, há uma semana está em Lisboa, com a esposa Sinara e a filhinha Bruna. Vão residir em Portugal, onde ele fará um curso de especialização, por um ano, na área do Ministério Público.

Por sua vez, o filho número três, o Tadeu, com a esposa Daniela e a Geni estão de malas prontas para a Itália, para Roma. Da Cidade Eterna farão um passeio turístico pelo sul da Itália, incluindo as impressionantes ruínas de Pompéia. Esta cidade construída 600 anos antes de Cristo, ao pé do vulcão Vesúvio, tornou-se colônia do Império Romano, em 87 antes de Cristo. No ano de 79 depois de Cristo, o Vesúvio soterrou-a com uma chuva repentina e violenta de lava e cinzas. Toda soterrada, só foi redescoberta após as escavações que começaram em 1748 e prosseguiram até o século XX. Essas escavações revelaram que grande parte das casas, templos e edifícios públicos mantiveram-se assombrosamente intactos, como no dia da catástrofe. Em 1863 foram encontrados até mesmo os cadáveres de um homem e seu cão. As fachadas de Pompéia, por sua vez, reproduziam cenas do cotidiano e, ao lado dos mosaicos, os visitantes podem ver móveis, objetos de arte e de tudo o mais que foi descoberto durante as escavações.

Quase 2 000 depois, Pompéia redescoberta fornece um dos depoimentos mais completos e emocionantes a respeito da vida na Antiguidade.

Dali o Tadeu, a Daniela e a Geni passarão por Lisboa, aonde visitarão o Bruno e a família em sua nova e temporária residência.

Como diriam os mais velhos: o mundo ficou mesmo muito pequeno!

Tadeu Araújo é professor e escritor



Rua do Rosário, 72 – Centro – Fone (37) 3522.2361 – Bom Despacho - MG
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Jornal de Negócios.