iBOM | Pessoas não podem jamais ser julgadas por sua aparência



140x140
Bom Despacho (MG), 21 de setembro de 2017

Pessoas não podem jamais ser julgadas por sua aparência

Imagem ilustrativa
Publicado em 04/07/2016 22:42:35

DÉBORA RODRIGUES - “Olá, mamãe Débora, peço-lhe se possível aparar ou trançar o cabelinho dos meninos, eles são lindos, mas eu ficaria mais feliz com o cabelo deles mais baixo ou preso. Beijos, Fran”. Essa foi a mensagem que Débora Figueiredo, mãe dos gêmeos Antônio e Benício, de três anos, recebeu na agenda escolar dos filhos, assinada pela coordenadora da escola.

Já imaginaram se acontecesse algo do tipo com o filho de vocês? Até quando nossas crianças terão que passar por esse tipo de constrangimento? Preconceito é crime! Reparem que a felicidade da coordenadora depende de os cabelos dos meninos, que são negros, estarem mais baixos ou trançados.

A escola que fica em Duque de Caxias-RJ justificou dizendo que o pedido foi motivado por um surto de piolho que ocorreu na sala das crianças, mas em momento algum isso é dito no bilhete. A mim parece apenas uma desculpa, já que a mãe não se calou e compartilhou o bilhete nas redes socais, gerando de volta o mesmo constrangimento causado a essa família. Se realmente era por causa do surto de piolho, por que nenhuma outra criança recebeu o mesmo bilhete em suas agendas? Tenho certeza que na sala dos meninos existem outras crianças com a cabelos maiores e apenas os gêmeos receberam o recado.

Até quando enfrentaremos esse preconceito velado? No nosso país existe muito isso, esse preconceito mudo, onde, educadamente, as pessoas são excluídas por seus cabelos, cor, orientação sexual, religião ou qualquer outra coisa que alguns pensam não se encaixar em seus padrões.

Não somos obrigados e nem devemos mais aceitar esse tipo de coisa. As crianças não merecem viver em um mundo onde passem por tanta dor e constrangimento. Vamos mudar essa realidade e fazer para elas um mundo digno, onde pessoas não sejam conceituadas por sua aparência.

Débora Rodrigues é psicóloga e conselheira tutelar em Bom Despacho



Rua do Rosário, 72 – Centro – Fone (37) 3522.2361 – Bom Despacho - MG
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Jornal de Negócios.